Cientistas de 25 países resolveram estudar o impacto da realização de cesarianas em grávidas de gêmeos.

O estudo analisou 2,8 mil partos ao longo de oito anos e seu resultado – publicado no fim do ano passado – vai contra o imaginário coletivo. A cesárea planejada não reduz o risco de morte em gravidez de gêmeos. “Provou-se que era mito.”.
Obstetras ouvidos pela BBC Brasil relatam casos em que mulheres fizeram cesáreas desnecessárias porque “o bebê é grande ou pequeno demais”, “a mãe tem bacia estreita” ou “o bebê virou de posição durante o parto”.
Uma dos mitos mais frequentes na indicação de cesariana é o bebê estar com o cordão umbilical enrolado no pescoço. “O cordão é como um fio de telefone: para enforcar a criança, seria necessário muito esforço”, diz Sá. “De qualquer forma, quando ela desce pelo canal vaginal, o cordão vai se desenrolando.”
 
Na verdade, são poucas as situações que podem ser solucionadas apenas pela cesariana, segundo os médicos consultados para esta reportagem. Uma delas é quando a placenta se desloca e bloqueia a saída do bebê, fenômeno conhecido como placenta prévia total. A força feita pela criança ao tentar nascer pode causar uma hemorragia grave e o óbito da mãe e do filho.
 
Na maioria dos casos, a situação específica deve ser avaliada. “Uma cesárea também traz riscos, apesar de serem menores do que no passado”, diz o obstetra Pedro Octávio Britto Pereira, professor daUniversidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). “É preciso saber qual é a forma de parto mais segura e optar por ela.”
 
Não se pode negar que a cesariana é um recurso valioso para salvar vidas e deve ser usada num quadro crítico. Pode ser o caso, por exemplo, de quando o cordão umbilical sai antes do bebê, durante o parto, fenômeno conhecido como prolapso. Isso corta o fluxo de sangue para a criança. A situação deve ser resolvida em minutos, caso contrário o bebê morre.
 
O parto normal traz benefícios para o bebê e a mãe. Durante o parto, a mãe produz os hormônios oxitocina, que estudos indicam ser capaz de proteger o recém-nascido de danos no cérebro e ajudar no amadurecimento cerebral, e prolactina, que favorece a amamentação.
 
Uma situação em que a cesárea costuma ser pré-agendada no Brasil é quando o bebê está “sentado” na barriga da mãe. Isso gera o risco da sua cabeça ficar presa na pélvis da mãe. Mas a cesárea não é a única saída. O médico pode tentar, durante a gestação, colocar manualmente o bebê de ponta cabeça, posição mais indicada para o nascimento, por meio de uma manobra conhecida como versão externa.
 
Ter feito duas cesáreas anteriormente também não é indicação absoluta de necessidade de nova cesárea. Como o útero tem cicatrizes de operações anteriores, elas podem se romper durante o parto normal. Mas a literatura médica indica que a mulher tem o direito de tentar porque o risco absoluto é baixo, de menos de 1%”.
 
Fonte da dica: boainformacao
 
#planosdesaude #planosmedicos #conveniosmedicos #saudeokplanosmedicos #planodesaude #plano medico