O parto normal é mais aconselhado e mais seguro que a cesariana, tanto para a mãe quanto para o bebê

Nesta terça-feira (14), o diretor-presidente da ANS, André Longo, anunciam medidas para incentivar a redução de cesarianas desnecessárias entre consumidoras de planos médicos e ações de promoção ao parto normal no país.
 
Segundo o Ministério da Saúde, o parto normal é o mais aconselhado e mais seguro que a cesariana, pois oferece menos riscos de infecção, hemorragia e prematuridade do bebê; devendo ser disponibilizados todos os recursos para que ele aconteça.
 
"Outra vantagem do parto normal é que o organismo materno se prepara para o nascimento. Os hormônios prolactina e ocitocina, fabricados durante o trabalho de parto, são fundamentais para ajudar a acelerar a produção de leite, a recuperação também é mais rápida em comparação à cesariana.
 
Sempre que possível, o parto deve acontecer sem intervenções. O ambiente deve respeitar a privacidade e as escolhas da gestante. Por isso, é indicado reduzir ruídos e luminosidade no local do parto, permitir que a parturiente caminhe, ingira líquidos e indique quem irá acompanhá-la.
 
Em casos realmente necessários, podem ser oferecidos métodos não farmacológicos de alívio da dor e utilizadas intervenções como analgesia.
 
Durante o pré-natal e o trabalho de parto, o profissional que atende a gestante avaliará as condições dela e do bebê, para identificar fatores que possam impedir o parto por via vaginal.
 
É direito da mulher definir durante o pré-natal o local onde ocorrerá o parto. O parto natural pode ser realizado em maternidades, Centros de parto normal e em casa, mas é preciso contar com o acompanhamento de uma equipe especializada, liderada por enfermeiros-obstetras ou obstetrizes..
 
Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Saúde